quarta-feira, 12 de julho de 2017






A cidade de luto: morreu Hochleitner


Hoje à tarde desceu a uma pequena sepultura do cemitério de São Pedro o corpo do professor Franz Joseph Hochleitner. Viveu 101 anos, mas não é demais lembrar que a morte de uma grande figura se revela sempre prematura. Podia ter vivido mais, a despeito das limitações impostas pela longevidade. Mas, em rigor, também não havia como perturbar o merecido descanso do fim de sua longa jornada. Não havia como exigir que dele mais, além do muito que deu à cultura e à pesquisa que promoveu ao longo da vida.

A cidade acolheu esse austríaco logo após a Segunda Guerra, onde atuara como piloto, ferido em combate. Foi daqui que projetou sua obra além das fronteiras do Brasil.

Franz Hochleitner sai da vida para tomar lugar na galeria dos homens que mais contribuíram para tornar Juiz de Fora conhecida em todo o mundo. Primeiro, quando se tornou referência internacional na decifração do código maia, a histórica Porta do Sol, na Bolívia, antes de se projetar nos auditórios científicos da América em época que a cidade pouco sabia sobre astronomia arqueológica, centro inspirador de grandes polêmicas sobre a existência da Atlântida. De Erick Van Deninken divergiu muito em relação à teoria do desembarque de deuses astronautas na Terra.

Além dos estudos que desenvolveu sobre as civilizações maia e asteca, contribuiu nas pesquisas sobre a natureza da percepção das cores complementares e a qualificação química para o cálculo exato da oxidação dos inoxidáveis. (extraído de meu livro sobre grandes figuras de Juiz de Fora).








terça-feira, 11 de julho de 2017






Lembranças


A TV Senado acaba de brindar seus telespectadores com a gravação de um irretocável concerto de música religiosa medieval, executado por orquestra regida pelo juiz-forano Luiz Otávio Santos. Orquestra do Centro Cultural Pró-Música, que não existe mais, parte do Festival de Música Colonial, que deixou de ser realizado, tendo como cenário o Museu Mariano Procópio, que está fechado.


Como está


A crise política que nos sufoca, gerando instabilidade, não vai desaguar nos planos da recuperação econômica. O motivo tranquliza as lideranças do empresariado. Elas já ficaram sabendo que, saindo ou ficando Temer, o ministro da Fazenda, Henrique Meireles, continuará onde está e fazendo o que deseja fazer.


Sem risco


Parece esgotada a possibilidade de a Lava Jato esbarrar em políticos de Juiz de Fora, pois, se alguns cometeram escorregões foram pecados pequenos, sem  espaço numa seara de graves corrupções. Verbinhas para campanhas eleitorais, nada capaz de arranhar qualquer grande empreiteira. Muito menos  a Odebrecht, que, é sabido, só se interessaria por um projeto na cidade: a retirado dos trilhos da Rede Ferroviária da zona urbana. A única obra que ela
realizou aqui foi o viaduto Augusto Franco.

 Salvar o Jardim


Moradores das rua Halfeld, Santo Antônio e Marechal Deodoro estão retomando a campanha  de defesa e preservação do Parque Halfeld, que, na verdade, não é parque; é jardim. As funções do espaço estão comprometidas, pois ele se tornou referência diária de assaltos, consumo de drogas e brigas entre gangues. À noite o cenário piora, pois o jardim se transforma em motel ao ar livre.

Uma solução, várias vezes lembrada quando os problemas avolumam, é o fechamento com gradil depois de 22h. No passado isso foi adotado, com êxito.



Triagem


Não seria medida nova, adotada que foi, com êxito, em Uberaba:  uma rigorosa pesquisa sobre a origem e as reais necessidades dos moradores de rua. Presume-se que aqui, como naquela outra comunidade mineira, metade da mendicância está relacionada com a vadiagem.

Qualquer que seja o resultado, é preciso forçar a ocupação dos abrigos, que existem e são bem equipados, não tolerar a transformação das ruas em lixeiras e impedir a ocupação dos passeios com  colchões, vaso sanitários e varais onde se estendem roupas.

A tolerância chegou a tal ponto, que um ancião que tem casa no Poço Rico, resolveu instalar-se com seus cachorros junto à entrada do velho Cinema Palace, ali vive, pratica suas necessidades e acha muito divertido que seus animais de estimação avancem sobre os pedestres.








quinta-feira, 6 de julho de 2017






PSB reunido


O PSB/JF teve na sua reunião mensal (tradicionalmente nas primeiras segundas-feiras de cada mês),  quando foram debatidas as propostas de reforma política em discussão no Congresso Nacional. Aquelas que tiveram consenso foram sintetizadas e encaminhadas ao deputado Federal Júlio Delgado (PSB-MG). Por consenso, foram aceitas as seguintes propostas: fim das coligações proporcionais, implantação da Cláusula de Barreira para eleições proporcionais e adoção do voto distrital misto.

Haverá eleição do Diretório Municipal PSB/JF no sábado, 19 de agosto, às 10h, em local a ser escolhido. Atualmente o partido é dirigido por uma comissão executiva municipal provisória. O presidente atual é o empresário Aloísio Gonçalves, que foi candidato a vice na chapa do Wilson da Rezato, em 2016.

É o primeiro partido da cidade que, avaliando a reforma política, aciona seu representante em Brasília.





quarta-feira, 5 de julho de 2017






Ainda a reforma


O presidente da França, Emmanuel Macron, informou que apresentará proposta de reforma política ao Parlamento, e possivelmente a submeterá a referendo, para reduzir em um terço o número de parlamentares e restringir a reeleição para o Legislativo.  No Brasil esta proposta seria considerada, pelos políticos, muita ousadia de um presidente da República. A nossa ‘classe política' têm dificuldades de reformar o sistema político eleitoral do Brasil, pois teme que isso atrapalhe a continuidade no poder. Os políticos no Congresso pensam assim: para que mudar a regra do jogo que os elegeu?

As propostas necessárias são sempre adiadas. Agora, quando vence em fins de setembro o prazo para alterações na lei eleitoral, para vigorar em 2018 (anterioridade de um ano), cogitam-se algumas mudanças, que, se ocorrerem, introduzir-se-á a cláusula de desempenho (cláusula de barreira), e o fim das coligações partidárias proporcionais. Com isto, implantado, limitará a existência de certos partidos políticos que não terão acesso aos recursos públicos.

Talvez nem isto seja aprovado, pois a agenda agora está em torno admissibilidade da denúncia do MPF contra Temer. O próximo presidente, eleito em 2018, terá legitimidade para propor reforma mais ousada, a exemplo do que faz o jovem presidente francês. Mas, precisará ter ousadia.







segunda-feira, 3 de julho de 2017






Comentários




 “O ANTAGONISTA"


Os deputados serão obrigados a anunciar no microfone se aceitam ou não a denúncia contra Michel Temer, como manda o regimento. Pelo menos foi o que disse Rodrigo Maia a aliados, segundo o Radar.

"Para Maia, a Câmara deveria, inclusive, cancelar o recesso para analisar a denúncia contra o presidente. Contudo, essa é uma decisão do plenário e o descanso, por enquanto, está mantido."

Comentário - O presidente Temer tem no deputado Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, um aliado. Entretanto, doravante, em caso de vacância na presidência da República, quem assume é o Maia, que substituirá o presidente por um período determinado. Mas também poderá suceder a Temer na eleição indireta. Rodrigo poderá ser até o 'Plano B' do grupo atualmente no poder. Ele estará fiel a Temer até certo momento. Se o 'cavalo passar encilhado' (com sela) ele vai montar, pois a sorte não 'passa duas vezes', como diz um dito popular gaúcho.


 Sistema adotado


“Levantamento realizado pela Rede de Informações Eleitorais (http://aceproject.org) – integrada por Estados Unidos, Canadá e México e pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) – revela que o Brasil alinha-se, ao lado de África do Sul, Argentina e Suécia, entre outros, no grupo de 9,68% dos países do mundo que não adotam nenhum tipo de candidatura avulsa em seus pleitos.

Quatro em cada 10 nações permitem que pessoas sem filiação partidária disputem pelo menos cadeiras legislativas em nível local ou nacional, casos da Alemanha, Japão, Itália e Reino Unido. Em 37,79% dos países, as candidaturas avulsas valem até mesmo para presidente da República, como nos EUA, França, Chile, Irã e a superpopulosa democracia da Índia.

Poucos países necessitam tanto da participação política, por um lado, e, por outro, a cercam de tantas restrições legais e burocráticas como o Brasil. A Itália, como é sabido, admite a candidatura avulsa mediante a chamada “lista cívica”. Nos EUA, casos há em que “candidatos independentes” chegam a pleitear a Presidência. Essa flexibilidade ajuda a que os sistemas políticos contemplem uma maior abertura à participação da sociedade – argumenta o senador Paulo Paim.
Para o autor da PEC, no sistema atual, se movimentos sociais fortes e numerosos como o feminista, o negro, o dos trabalhadores sem-terra, o dos aposentados, o dos indígenas ou o dos homossexuais quiserem lançar um candidato, só poderão fazê-lo se a liderança se filiar a um partido político e, como consequência, se submeter “à regra do jogo, sua correlação de forças interna, suas dificuldades e suas limitações”.

O consultor legislativo do Senado, Caetano Araújo, lembra, porém, que as propostas de reforma política hoje em discussão no Congresso Nacional têm como característica comum o fortalecimento das siglas partidárias por meio de instrumentos como a fidelidade partidária, o financiamento público e as listas fechadas de candidatos.

Passaríamos a uma situação oposta à que prevalece hoje: o poder deixaria os mandatários e concentrar-se-ia na estrutura partidária. Nesse caso, teríamos direções partidárias, máquinas, burocracias extremamente poderosas, com controle sobre os recursos financeiros destinados à campanha e com a capacidade de definir a ordem dos eleitos – teme o sociólogo”.

Sylvio Guedes / Jornal do Senado 


Comentário: O fortalecimento dos partidos políticos sempre será uma medida salutar, mas com garantia de democracia interna. Pelas notícias que temos, a maioria absoluta dos partidos brasileiros não pratica a democracia interna, embora seja esta uma exigência contida nos estatutos. O que predomina é a vontade daqueles políticos que no exercício do mandato mantêm o controle total das deliberações partidária. Mesmo no PT, onde existe um processo de escolha dos dirigentes partidários em todos os níveis, temos notícias de irregularidades, supremacia da vontade da tendência majoritária vinculada ao Lula, e predomínio da decisões conforme proposição da tendência hegemônica, e sufocamento das propostas de tendências minoritárias.







terça-feira, 27 de junho de 2017







À beira do abismo


A situação do presidente Michel Temer atingiu seu ponto crítico, mais alto, porque o volume dos problemas que o cercam é agora de tal ordem e de tal volume, que escasseiam os recursos de defesa. No Congresso Nacional, a despeito de ter ele construído ali um modelo de diálogo altamente proveitoso, percebe-se que as defecções na base aumentam na medida em que os parlamentares se preocupam em não arriscar prestígio na defesa de um governo que desce o morro.  Ainda assim, é no Congresso que o governo pode lançar uma última cartada.

Mas, ainda que se aceite posição favorável para Temer junto a deputados e senadores, cabe indagar se esse apoio momentâneo, em momento crítico, se estenderia amplamente, no depois, para garantir a governabilidade. Temer escapa. Mas escapa o resto de seu mandato? É no mínimo duvidoso.

O ministério, como está ou como sobreviver, terá fôlego para se manter?

Sobre o Supremo, onde vão bater os pedidos de condenação do presidente. Talvez Temer possa contar ali com postura semelhante àquela que o Tribunal Superior Eleitoral mostrou com o voto de minerva do ministro Gilmar Mendes, no julgamento da chapa Dilma-Temer. Naquela hora não se julgou o conjunto das provas condenatórias; o que se decidiu foi evitar uma nova crise resultante do afastamento do presidente. Afastar um presidente é remédio sempre amargo e nauseante. Talvez os ministros pensem nisso, e seja preferível tolerar a crise de hoje para evitar uma crise ainda mais sensível em agosto. O mês aziago na política.






sexta-feira, 23 de junho de 2017






Temer na crise  




Na Noruega questionado por jornalistas, Temer afirmou reconhecer “que há uma crise política evidente”. O presidente ressaltou, porém, que está “tomando providências” para defender os “aspectos institucionais da Presidência”. É assim que ele tem sobrevivido politicamente no cargo que herdou da deposição da Presidente Dilma. 

Se houve golpe ou não, este discurso agora não importa mais. Os próprios petistas já substituíram (quase totalmente) o bordão "Fora Temer" pelo "Diretas Já!". De bordão em bordão tem sobrevivido o PT e seus aliados. Agora pedir eleições diretas sob o argumento que o Congresso Nacional atual não tem legitimidade para eleger indiretamente um substituto para Temer, é uma impropriedade. Todos os parlamentares eleitos diretamente em 2014 são legítimos, pois todos foram eleitos e empossados num mesmo processo de escolha, quer sejam de esquerda, centro ou de direita. Como querem os patrocinadores da tese de antecipar as eleições presidenciais (em caso de vacância) conseguindo apoio para uma emenda constitucional modificadora da regra atual, se eles desqualificam o parlamento da qual participam?

A crise política é um fato. E como dizia o falecido Deputado Ulysses Guimarães diante de certas situações: 'Com a palavra, Vossa Excelência, o Fato' O cenário político para o Presidente demonstra, faticamente, dificuldades para manter-se no cargo. Ele poderá não concluir o mandato independente de sua vontade.  O Procurador Geral da República antes de deixar o cargo denunciará o Presidente de forma que ele terá novos desafios para superar. Soma-se a isto a impopularidade em queda, vertiginosamente. O futuro de Temer é sombrio.