quarta-feira, 16 de agosto de 2017






A vez de Lacerda


No atual quadro da política mineira, quando atenções se voltam para as eleições de 2018, o alvo das principais está em Márcio Lacerda, ex-prefeito de Belo Horizonte, onde pesquisas já vão lhe dando preferência acima de 30% do eleitorado. Ele é hoje uma das raras lideranças de Minas no restrito clube das lideranças que passam sem suspeitas pelos inquéritos e pelas delações gratuitas ou premiadas. Em tais condições, com tal perfil, reúne elementos a mais para avançar no projeto de se tornar governador.

As condições aventadas podem levá-lo às urnas estimulado por uma aliança de partidos ou correntes políticas independentes, que desde agora advogam ampla reforma na cansada política mineira, removidas, prioritariamente, figuras desgastadas ou mesmo apenas suspeitas. Pode estar aí o seu destino. Tancredo já advertia que subir as escadas do Palácio da Liberdade não é apenas resultado de circunstâncias; é obra do destino.

Sobre as relações de Márcio Lacerda com Juiz de Fora, de há muito superadas e apagadas nos sinistros tempos da ditadura, quando aqui esteve preso, é oportuno lembrar que ele tem ao lado Vitor Valverde como um dos mais importantes e influentes colaboradores. Vitor, que foi secretário de Administração do prefeito Custódio Mattos e secretário de Governo em BH, agora candidato a deputado estadual, não escaparia de ser, eleito Lacerda, o principal interlocutor da cidade junto ao novo governo.



  


quarta-feira, 9 de agosto de 2017






Modelo do Distritão


A mudança do modelo de votação está na agenda prioritária do Congresso Nacional. Pretende-se adotar o modelo do voto distrital em 2018, sendo cada estado um distrito. Neste modelo eleitoral serão eleitos os deputados que forem mais votados em seus estados. Talvez a única virtude do modelo seja eleger quem tem mais votos.

Entretanto, traz consigo muitos defeitos. Os partidos perdem importância, e deverão lançar menos candidatos, pois não há necessidade do voto de legenda (fundamental no modelo proporcional). Vai privilegiar os candidatos com mais recursos financeiros, pois deverão buscar os votos em todo o estado. Haverá pouca renovação política, já que a tendência é que os atuais detentores de mandato sejam reeleitos. Os grupos de interesse predominarão na indicação de candidatos comprometidos com corporações, religiões e similares. Também se beneficiarão aqueles famosos na mídia, tais como artistas, jogadores de futebol, humoristas e congêneres.

Para complementar o oportunismo dos parlamentares, caminha paralelo a criação de um fundo para financiamento de campanha com dinheiro público (perto de 4 bilhões de reais) que reforçará o caixa financeiro dos "donos de partidos". E, por consequência, com a possibilidade real de reeleição, os deputados garantirão o foro privilegiado, evitando-se os efeitos da Operação Lava-Jato, que tem previsão de funcionamento até o final do ano de 2018

Tudo no jeito para que a política brasileira continue com os velhos vícios e cacoetes.











Desenvolvimento


O quarto encontro do “Fórum de Discussão Permanente para o Desenvolvimento Econômico e Sustentável de Juiz de Fora” aconteceu na segunda-feira, no Centro de Distribuição do Grupo Bahamas, na BR-040. Estiveram presentes o prefeito Bruno Siqueira, secretários municipais e empresários da cidade, e durante o encontro ocorreu a apresentação das diretorias do grupo e visita técnica ao Centro.

O Grupo Bahamas completou 34 anos em 2017, sendo a 16ª maior rede de supermercado do país. Este grupo empresarial participa do desenvolvimento de Juiz de Fora, sempre reinvestindo na cidade.

O prefeito Bruno Siqueira, quando chamado a se pronunciar, fez um destaque da iniciativa desse fórum permanente, que possibilita a necessária interação do poder público com a iniciativa privada no município. O prefeito enfatizou a importância desse espaço que proporciona uma permanente ausculta aos empreendedores locais, que muito tem a contribuir para o desenvolvimento da cidade.


Precisamos conhecer mais o empreendedorismo local. Há boas coisas acontecendo.  





quinta-feira, 3 de agosto de 2017






Contra os políticos
 

Não há protestos de rua.  Então, alguns dirão que os protestos de 2015 e de 2016 tinham por objetivo único tirar Dilma do poder, mas isso é pouco. Outros dirão que os movimentos dos manifestantes vestidos de verde e amarelo estão de ressaca cívica. Parece  que o sentimento é de decepção, e há um desalento enorme diante de uma probabilidade de prosseguimento do que temos hoje.

Com a vitória do presidente Michel Temer na Câmara dos Deputados pelo arquivamento do pedido de autorização do Ministério Público Federal para que fosse investigado, deixa um sentimento estranho no ar. Parece que a direita e a esquerda não têm mais interesse na queda de Temer. Muitos consideram que seja melhor deixar que as eleições de 2018 resolvam a situação. Embora no discurso a esquerda diga ao contrário. Temer está realizando algumas reformas que os próprios petistas, quando no governo, teriam feito.

Quais as conseqüências dessa retenção de insatisfação? Pode virar protesto em 2018. O ódio e a raiva vão perdurar até a eleição? Ou haverá algum conflito antes disso? Nossa história registra muita desconfiança em relação ao Congresso Nacional e aos políticos em geral. Essa desconfiança tende a piorar, até mesmo em relação ao eventual ocupante da presidência da República.

No curto prazo o eleitor mantém na memória esse registro de como os deputados votaram nesse 2 de agosto, mas nada garante um futuro voto de castigo a eles. O que pode acontecer é essa frustração se expressar na próxima eleição presidencial de alguém com um discurso populista, como o deputado federal Jair  Bolsonaro  e outros, que diz que os políticos não prestam. Vai crescer o discurso contra os políticos no ambiente eleitoral.








quarta-feira, 2 de agosto de 2017








Violência e mulher


Com o lema “Violência contra a mulher: Vamos meter a colher”, o PSB-JF, através do PSB – Mulher, está promovendo neste mês uma semana de encontros visando a aprofundar discussões e ampliar o debate sobre esse tema complexo, cercado de tabus e preconceitos. 

Através de cinco encontros abordando o problema, e como deve ser enfrentado, o partido na cidade pretende dar sua contribuição aos movimentos já existentes, e subsidiar sua representação parlamentar.

Os encontros denominados “rodas de conversas” ocorrerão na semana de 7 a 11 de agosto, sempre às 19h. A programação é a seguinte: segunda-feira, 7, no Espaço Evoluir, Bairro Benfica; terça-feira, 8, na Escola Maria Ilidia Resende de Andrade, bairro Furtado de Menezes; quarta-feira, 9, na E. M. Áurea Bicalho, bairro Linhares; quinta-feira, 10, no Salão do Elias, bairro Dom Bosco; sexta-feira, 11, Hotel Serrano, no Centro.